terça-feira, 29 de março de 2016

TDAH e falta de concentração - Dicas para aumentar a concentração, incluindo os Florais de Bach

A presença, o interesse demonstrado, a aposta nos filhos, o elogio dos pais para com os filhos, também são ingredientes valiosíssimos!

Livro TDAH Crianças que Desafiam - Capítulo 13 - Relações Familiares e TDAH
Assim, se, por exemplo, pais costumam Dar discursos, os intermináveis “sermões” que os filhos tanto repudiam,  devem tentar hábitos mais positivos. Ainda que a indignação seja grande, tentar ser o mais direto e breve possível. Dizer pausadamente e deixar o tempo hábil para que a mensagem seja processada. Depois de algum tempo, perguntar: O que ficou do que eu disse? Leve em conta a resposta e processe. (pág. 174)



Por Marise Jalowitzki
29.março.2016
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/03/tdah-e-falta-de-concentracao-dicas.html

Muitas pessoas pedem especificamente: Qual o Floral para...? É todo um conjunto de providencias e atitudes a serem revistas. É uma mudança de paradigma.
A presença física do pai e da mãe, o interesse demonstrado pelas ações e desafios porque passa o filho, a aposta neles, eles saberem que os pais os amam e admiram pelo que são, pelo que podem dar, o elogio dos pais para com os filhos, são ingredientes valiosíssimos! 

Assim, além desse lembrete inicial (que é pra vivenciar sempre), deixo várias dicas pontuais, certeiras e, claro, também os maravilhosos Florais de Bach.


Para aumentar a concentração há várias estratégias e providencias:

1) Alimentação
Somos o que comemos. Assim é de suma importância
- Evitar os industrializados o mais possível.
- Evitar farináceos, especialmente a farinha de trigo.
- Evitar o mais possível os refrigerantes e a carne vermelha (o que inclui embutidos como salsicha, presunto, etc.)
------------
Há vários artigos circulando por aqui que mostram as recomendações - inclusive de psiquiatras - e alternativas alimentares para substituir estes componentes tão usados em nossa dieta. Deixo alguns links:
Receitas para fazer leite vegetal em casa - Clique AQUI

Lembrando que todo o Capítulo 12 do Livro TDAH Crianças que Desafiam é destinado a informações sobre dietas para as queridas crianças com os sintomas-caracteristicas.
Informe-se AQUI
-----------
- Usar o mais possível os leites vegetais, especialmente o leite de castanha do Pará, Caju, Nozes, Amendoim (certificado) são alimentos potencialmente indicados para aumentar a concentração - só triturar no liquidificador, coar e beber normalmente ou misturado ao cacau in natura. O que sobra no coador pode ser misturado em qualquer receita salgada ou doce, fica uma delícia e não desperdiça nada.
- Usar água de linhaça e a linhaça ativada (há publicações AQUI sobre isso). Este componente é um dos mais ricos em Ômega-3, que equilibra sobremaneira o cérebro e potencializa a concentração.
- Incentivar a tomar várias vezes ao dia muito líquido, preferencialmente água pura. A água, como sabemos, possui oxigenio que é o alimento mais potente para o cérebro. Criar o hábito de beber água seguidamente pode ser obtido deixando sempre uma embalagem que ele gosta mais (copo ou xícara) ao lado de onde está, mesmo quando joga no PC.
- Oferecer bastante fruta pra ele, que pode se tornar bem atrativa visualmente, usando alguns truques visuais. Colocar ao lado, sem dizer nada, para comer quando quer. As frutas cruas, in natura, junto aos verdes, possuem o açúcar natural que o nosso corpo precisa e é o 2º mais potente alimento (depois do oxigenio) que o cérebro precisa.
- Feijões, grão-de-bico, arroz integral.
- Pozinhos comprados em lojas natureba podem ser tomados puros, uma colherinha rasa de chá (adolescentes-adultos), meia colherinha rasa (crianças), preferencialmente pela manhã, em jejum, ou misturados aos alimentos (especialmente fácil se ele come granola com frutas, por exemplo, no desjejum "café-da-manhã") - São pequenos envelopes contendo ginseng, cacau, folha de mandioca, casca de laranja triturada.




2) Qualidade do sono

Este item é determinante para aumentar a concentração e reequilibrar todo o sistema nervoso. Enquanto adultos ficam sonolentos após uma noite mal dormida, crianças ficam "elétricas", e mais sujeitas a quedas e acidentes.
- Alimentação leve, ambiente sereno, sem filmes ou games que excitem.
- Umas duas horas antes da hora de dormir, pode ter um banhinho morno, massagem relaxante (há publicações aqui orientando)
- Evitar ter eletrônicos no quarto (mesmo quando desligados, continuam a emitir radiação, o que inquieta e desassossega)
- Eleger roupas de algodão (cuidar mesmo a linha da costura, que pode irritar sobremaneira) para o pijaminha,, lençóis e fronha.
- Pode ter música relaxante - sem vozes, só instrumental - ou a própria mãe pode cantarolar, preferencialmente letras infantis que falem em dormir bem.
Quarto com o menos de iluminação possível. Caso a criança tenha medo do escuro, uma luz de 20w, de cor azul, ajuda a relaxar.

Aprenda a massagem, AQUI


3) Na hora de realizar as tarefas (tema-de-casa)

- Deixar poucas coisas à mostra sobre a mesa de estudos, só o que é efetivamente necessário.
- Preferencialmente nenhum estímulo extra - visual ou auditivo, exceto música ambiente, caso ele curta.
- Estabelecer intervalos de 15 em 15 minutos. Neste período de intervalo, promover alguns alongamentos, tomar um copo d'água ou suco natural (não os de caixinha) com pouco ou nada de açúcar, abraçar muito e dar palavras de reforço e estímulo."Você está indo muito bem! Vamos lá, meu querido!"
- Colocá-lo o mais possível em ações táteis, coisas que ele ajuda a construir: a mãe pode recortar letras grandes, em cartolina branca, por exemplo e dar a ele para pintar as letras (vogais ou consoantes) com letras específicas (preferencialmente o amarelo ouro para as consoantes e o verde-bandeira para as vogais). Aprender continhas de matemática ao cuidar de um canteirinho de sementes (feijões, tomate) costuma ser um estímulo poderoso, por exemplo.
Colocar uma tira de papel (pode ser sulfite) de cor amarelo-ouro presa (pode ser com clips) no topo da página onde ele está cumprindo os exercícios. O amarelo-ouro ajuda a potencializar a concentração, ativa a atenção (este tom que coloquei nos subtítulos).
Usar as "janelas de estudo", que são fáceis de fazer e proporcionam "ver" apenas duas linhas. Faz com que a criança não se perca nas cópias e-ou leituras.

esta sugestão  peguei do blog www.mimundodept.blogspot.com 

4) Quadro de Acordos

Realizar o Quadro de Acordos com ele, ele ajudando a opinar e construir - Há orientações no artigo com este título. Tá tudo explicadinho AQUI: Quadro de Acordos - Tarefas, Perdas e Recompensas
 Pra fazer juntos, deixando ele opinar também.
Pra saber como falar firme, sem usar o "Não!", que, naturalmente, já cria resistencia, leia AQUI: TDAH - A força do Não!



5) Ter um pet



Ter um pet - um cachorrinho (filhote) como animal de estimação é o melhor, pelo companheirismo, preferencialmente os adotados, que, por já terem passado por sofrimento e exclusão, costumam ser bastante dóceis e servis. 
A concentração advém da autorregulação. 
Ele sendo responsável pela manutenção e cuidados com o cãozinho, vai obedecer a horários de alimentação, banho, passeio, diversão e sono, o que ajuda para que também, pela observação e convivencia, vá se conscientizando de seus deveres e direitos.




6) Chazinhos

Chazinhos são agradáveis de beber a qualquer hora, especialmente quando não são muito fortes. Chás como camomila, maracujá, erva-cidreira, ajudam a acalmar os ansiosos (e podem ser bebidos por todos antes de dormir), enquanto erva-mate, guaraná, alecrim, servem pra "por-pro-alto" sem excitar, no entanto. Se usar açúcar, procura comprar o demerara, ou o mascavo, que são os mais naturais. Procura preferencialmente os orgânicos.


7) Florais de Bach

Florais -  pode tomar mais doses-dia para o período de provas. E regularmente, 3 a 4 vezes ao dia, 3 a 5 gotinhas sublinguais. Como sempre, enfatizo o uso do Rescue Remedy como base (retira a ansiedade e o medo), diluído em água destilada - dura 15 dias e conserva em geladeira.
Os Florais específicos para concentração são:
-Wild Oat – especialmente para o período de provas
-  Larch – para aumentar a autoconfiança
- Clematis – para acabar com a indecisão
- Chestnut Bud - mantém a atenção, faz focar
- Chicory – autovalorização, reconhecer os seus acertos, não depender tanto da opinião dos outros
- Gentian – saber-se merecedor dos acertos. “Eu serei bem sucedido!”

Este artigo não intenta substituir os cuidados e atendimentos médicos. A orientação de um neuropediatra homeopata, de um terapeuta floral, de um psicopedagogo são sempre seguros. Ressalvando que a terapia psicológica é a primeira recomendação de intervenção.

Felicidades!

Bate-papo sobre Florais de Bach - Encontrando as melhores essências para seu filho


Essência Larch - dissolve o sentimento de inferioridade e o medo do fracasso - e é um dos florais específicos para déficit de atenção.

Por Marise Jalowitzki
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2015/10/bate-papo-sobre-florais-de-bach.html


Uma avó deixou o seguinte recado sobre o uso de Florais em seu neto:

"Comecei há três meses dar florais para meu neto de 9 anos,depois de muitos tratamentos alopáticos sem sucesso.O problema é TDAH + Desatento,é pouco hiperativo e nada agressivo e apresentava tic nervoso(não parava de piscar os olhos) e também um hipotireoidismo subclinico que quando tratado com alopatia só apresentava pioras chegando a ter taquicardia. Ele toma os florais Cerato- Chestnut But- Larch- Walmut- Clematis e Mimulus,estou muito satisfeita com o resultado,o Tic desapareceu totalmente,está dormindo melhor,diminuiu a transpiração ....,e agora estou com esperanças que vai ajudar a melhorar a atenção,a memória e concentração,pois o rendimento escolar está piorando a cada ano e ele perdeu o interesse nos estudos depois de notas baixas e piadinhas dos colegas de classe e muita cobrança de todos.Acredito na eficácia dos florais e tenho certeza que ajudarão meu neto a vencer essa etapa.Grata.Débora."
O que comentei:
Que beleza, Debora! Persevera que tudo vai continuar dando super certo!! Para aumentar a concentração, dá uma olhadinha neste link: TDAH e falta de concentração - Dicas para aumentar a concentração, incluindo os Florais de Bach - Bjs -


 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:
www.tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br


LIVRO TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM
Informações, esclarecimentos, denúncias, relatos e dicas práticas de como lidar 
Déficit de Atenção e Hiperatividade

quarta-feira, 16 de março de 2016

TDAH - Meu filho tem 7 anos e não lê!




16.março.2016
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/03/tdah-meu-filho-tem-7-anos-e-nao-le.html

"Suponhamos que a criança tem sete anos e não lê bem, mas joga muito bem. Temos aqui um problema? Os pais ficam com medo e começam a pensar que seu filho é estúpido ou preguiçoso. Os professores cobram. Eles levam o filho a psicólogo, terapeuta... Entretanto, não existe no mundo nenhum método que ensine a criança a ler, se ela ainda não está pronta.”, salienta.
Em um de seus vídeos, o médico mostra a situação de um menino de nome Daniel, que acaba de completar cinco anos. Ele se senta em uma mesa, é a sua primeira consulta na clínica. Pergunta se o menino sabe de um animal. Daniel balança a cabeça negativamente. "Qualquer animal. Conhece algum?" Daniel escorrega da cadeira. "Um porco, uma vaca?" O menino se arrasta sob a mesa. Só se vê seus pés balançando no ar.

"Totalmente perturbado, certo?" pergunta Largo. "Mas você vai ver."


Segunda consulta. Nova cena. A mesma mesa. Daniel fica por detrás da cadeira. Ele segura finas hastes de madeira na mão, e recebe a orientação para que empilhe umas sobre as outras. Consegue empilhar mais de um metro de altura. Parece complicado, mas Daniel não tem nenhum problema.


Largo diz: "Totalmente motorizado, ele é super saudável, a criança só fala mal, é desafiado por seus pais constantemente e agora se recusa a falar. Não se pode forçar a criança..." O que precisamos é encorajar os pais para que possam fazer frente às pressões sociais e colocar a felicidade e a tranquilidade de seus filhos antes das exigências do meio. Chamar uma criança para respostas que ainda não consegue dar significa corromper a sua motivação. Uma criança muito requerida torna-se passiva; com o tempo, a recusa pode transformar-se em surto, pode arremessar coisas, morder-se ou morder os outros. Respostas que são exatamente o oposto do que os pais queriam.


"As crianças, na sua essência, são o que elas são, se os pais as querem diferentes, acabam danificando as crianças. Vai ser bem melhor se a criança puder ser como ela é." (Remo H. Largo - médico e escritor em Zurique. Autor de vários livros, entre eles “Ano do Bebê”, “Anos de Estudante” e “O Aprendizado é Diferente”, Largo dirigiu durante quase três décadas o Departamento de Crescimento e Desenvolvimento no Hospital Infantil da Universidade de Zurique.)


Pág 30 - Livro TDAH Crianças que Desafiam

Marise Jalowitzki


 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:
www.tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br


LIVRO TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM
Informações, esclarecimentos, denúncias, relatos e dicas práticas de como lidar 
Déficit de Atenção e Hiperatividade

TDAH - medicar ou não, quando os pais estão convencidos que se trata de distúrbio ou doença mental




Por Marise Jalowitzki
16.março.2016
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/03/tdah-medicar-ou-nao-quando-os-pais.html

Uma mãe pergunta: "quando uma criança-adolescente é diagnosticada 'corretamente' com algum transtorno , distúrbio ou doença mental com atenção e prudência de vários especialistas , como eles vão tratá-las se todos os medicamentos citados nesses tratamentos são tão prejudiciais ? Não haveria uma negligência da parte dos pais se recusarem esse tratamento ? Como ela deve agir?" 


Esta ponderação é complexa e precisa ser analisada por vários ângulos:
1)     Antes de tudo, é primordial conhecer as causas que levam uma criança-adolescente aos comportamentos tidos como indesejados socialmente. Para isso, na maioria das vezes, uma terapia psicológica vai ajudar muito, espaço onde a criança vai poder se expressar, contar de si, mostrar um tanto de sua visão de mundo e se sentir respeitada por isso. Mais de 80% das situações-"problema" são resolvidas sem a necessidade de intervenção medicamentosa. Há outros tratamentos. Há outras medicinas.
   
     Com relação ao uso de psicotrópicos, falando de maneira bem ampla (não apenas focado em tdah e sim em todas as intervenções alopáticas: particularmente, evito os alopáticos em tudo o que é possível, desde um paracetamol (agora sendo demonizado. Por anos tendo sido recomendado e inclusive sendo distribuído pelo SUS...). Sempre que possível, evitar os alopáticos parece ser uma providencia ajuizada, pelos riscos de efeitos colaterais por vezes bastante danosos (e até letais).
2)     Com tudo que se busca saber sobre psicotrópicos, psicotrópicos, em medio prazo, acarretam mais prejuízos que ganhos. E não é somente um ou outro especialista que pensa assim. Há toda uma vertente, mesmo dentro da psiquiatria, que defende o não uso de tarja preta! (caso não tenha visto ainda, um dos documentários que sugiro ver é “Marketing da Loucura”)
3)     O tdah continua sendo um diagnóstico tão controverso! Com tantos vieses! Será mesmo que TODAS AS INTERVENÇÕES, que envolvem especialmente a família e os pais e que incluem terapia psicológica, foram realmente tomadas? E respeitando o tempo da criança? Sim, pois tem mães que levam seus filhos em duas, três consultas, “não vêem resultados” e interrompem! Como assim, uma criança conseguir conectar com o seu autorespeito e poder se expressar em duas, 3 consultas? Os sentimentos humanos não são conectados como uma tecla “enter” assim automaticamente! Demanda tempo, empenho, tolerância. (mirem-se! nós mesmos, como adultos, quanto tempo levamos?)
4)     Mesmo tendo sido “fechado o diagnóstico”, e os pais concordando com os especialistas que o melhor seja aplicar medicação, há outros tipos de medicação, como temos analisado sempre por aqui, como a homeopatia e a fitoterapia, além dos florais. A efetividade é inconteste e pode ser constatada em vários relatos de pais que ousaram mudar o sistemático.


não minimize as reações de seu filho. tente descobrir as causas que o levam aos comportamentos indesejados

5)     Os outros fatores, tais como alimentação, comida industrializada (corantes, conservantes, espessantes), refrigerantes, carne vermelha, tudo influencia para acirrar o quadro. Até mesmo os tecidos das roupas, a quantidade de eletrônicos em casa, tudo emana radiação que desassossega, inquieta, agita. E estes são quesitos pouco divulgados em nosso país. E quando falo em "alimentação", não me refiro à quantidade "ele come bem". Refiro-me à qualidade do prato. Em se tratando de qualidade, tanto no caso de agitação como na falta de concentração, há também alimentos que auxiliam, agindo diretamente nestes focos, melhorando, o que é de imensa valia. 
6)     Além das atividades extra curriculares, que podem determinar a autorregulação infantil. Uma criança, quando se “encontra” em um esporte ou outra atividade cativante, pode acertar todo o demais, em termos amplos.
7)     E, por último, caso após todo este “compendio argumentativo” ainda permanecer a intenção de administrar os psicotrópicos em uma criança tida como tdah (cujo cérebro está em desenvolvimento e, portanto, ainda mais suscetível que o adulto para os danos dos efeitos colaterais), que o tratamento (monitorado) não ultrapasse um, máximo dois anos, dizem os especialistas. 
8)     E, mesmo nestes casos, administrar os florais juntamente com os psicotrópicos diminui em muito a quantidade e o tempo de ingestão.


Por vezes a pressão é tanta que tudo que os pais se convencem que há um problema sério com seu pimpolho e querem  “resolver” uma questão que é mais do entorno, do mundo adulto, que da criança-adolescente! Em todas as situações, é sempre preciso ponderar sobre as causas. Seja nas questões de agressividade, realinhar este futuro líder para que não se torne um futuro déspota exige trabalho, dedicação, empenho, orientação precisa. Seja nas questões de depressividade, de encolhimento, para que não se torne uma vítima social. Conversa, muita conversa, terapias, tentativas várias. E não apenas enveredar pela saída que parece mais fácil, psicotrópicos. Que, bem sabemos, em médio prazo acabam dando sómais dor de cabeça. E do que precisamos é Harmonia, Saúde, Alegrias, Entendimento.


Querendo, leia mais sobre a influência da alimentação:




Hiperatividade. Causa está na mesa, adverte psiquiatra.
Os autores de vários estudos também demonstraram o impacto positivo da eliminação dos produtos alimentares contendo aditivos alimentares sintéticos, como corantes alimentares artificiais e conservantes sobre o comportamento das crianças com TDAH.
ÔMEGA-6, presente especialmente na carne vermelha, galinhas e ovos de granja, causa Hiperatividade 
Não comer carne não oferece qualquer prejuízo à saúde - cardiologista e nutrólogo Julio César Acosta Navarro, Instituto do Coração do Hospital de Clínicas de São Paulo
A influência dos componentes da dieta sobre os sintomas de TDAH em crianças.





Capítulo XII - Dieta especial pode ajudar portadores de TDAH - Livro TDAH Crianças que Desafiam
O que incluir na dieta



http://www.tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/03/tdah-omega-3-hiperatividade-e.html



A dieta de eliminação iniciou apenas com arroz, vegetais, pouca carne e muita água, além de diminutas porções dos chamados alimentos alergênicos  (alimentos que podem desenvolver alergias), tais como trigo e seus derivados, batatas, leite e seus subprodutos, etc. (pág 171 - Livro TDAH Crianças que Desafiam)

 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:
www.tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br


LIVRO TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM
Informações, esclarecimentos, denúncias, relatos e dicas práticas de como lidar 
Déficit de Atenção e Hiperatividade

sexta-feira, 11 de março de 2016

TDAH - Ômega 3 - Hiperatividade e Concentração




Capítulo XII - Dieta especial pode ajudar portadores de TDAH - Livro TDAH Crianças que Desafiam
O que incluir na dieta

"Assim, use vitaminas e nutrientes essenciais para seus pimpolhos. Omega-3 é um tipo de gordura poli-insaturada. É um ácido graxo essencial encontrado em vegetais, especialmente na linhaça, nozes de cânhamo e linho e em certo tipo de peixes como sardinha, salmão e atum (melhor usar a linhaça, imersa em água durante algumas horas, para inchar a semente e potencializar resultados. Os peixes precisam ter origem garantida, já que, especialmente os advindo do oceano Pacífico, estão com alta taxa tóxica, principalmente após o desastre em Fukushima, no Japão). Peixe contaminado, não!). 
A dieta para os chamados hiperativos deve ser rica em Omega-3 (os ácidos gordos), já que ela desempenha um papel importante no funcionamento adequado do cérebro. Atenção também para incluir uma alta quantidade de proteínas e alimentos de baixo carboidrato. Dieta rica em proteínas inclui queijo (pode ser tofu), nozes, feijão, que melhoram a concentração mental. Crianças diagnosticada com sintomas de TDAH devem comer muitas frutas e vegetais frescos, pois são fontes ricas de vitaminas e minerais essenciais." (pág.168)



Por Marise Jalowitzki
11.março.2016
http://www.tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/03/tdah-omega-3-hiperatividade-e.html

Uma mãe pergunta sobre o Ômega-3.
Há alguns dias estou pensando em publicar especificamente, já que ele é tudo de bom para a concentração. Vou colocar algumas coisas aqui:
- Uma das fontes é o salmão e o atum (atualmente altamente desaconselhado pelo grau de toxicidade dos oceanos, o que compromete muito!)
- A outra fonte, tão rica quanto, e sem os riscos, é a sementinha da linhaça.
O ômega 3 é super potente e importante para aumentar a concentração. Aqui, como somos vegetarianos-veganos, usamos o ômega 3 da linhaça. Um quarto de copo dos grãozinhos, enche de água, enxágua, enche de novo, cobre com paninho poroso e deixa de molho por 8 horas. A "água" viscosa substitui a clara de ovo até em receitas culinárias. Pode ser misturada em sucos, pode ser tomada pura. Não tem gosto, é super saudável e antioxidante.
A sementinha germinada (o que acontece depois das 8 horas em água) é rica fonte de ômega 3. Pode ser comida (mastigada crua), pode ser misturada ao alimento, pode ser misturada em receitas diversas (pão, saladas, o que quiser).
Para os que preferem, tem também em cápsulas, embora a semente in natura seja o processo mais rico e saudável. As cápsulas vendidas como, simplesmente, "Ômega 3" requerem uma pesquisa mais aprofundada, pois podem ser de origem animal (salmão, atum) e, como consta lá no início, a chance de contaminação radioativa e outros tóxicos é muito grande.
Não adianta comprar a "farinha" - linhaça triturada. Sementinha seca e triturada, perdeu quase toda a propriedade.

Marise Jalowitzki



Sobre a linhaça marrom ou dourada:
"A casca da linhaça marrom é um pouco mais dura e resistente, mas isso não altera a disponibilidade de seus nutrientes. Nada disso faz com que a linhaça dourada seja melhor e mais desejável que a marrom. Toda essa propaganda da linhaça dourada não passa de… propaganda!
(...)
Uma outra diferença considerável, do ponto de vista do cultivo, é que a linhaça dourada, por ser cultivada em climas muito frios dispensa o uso de agrotóxicos, já a linhaça marrom por ser cultivada em climas quentes e úmidos, pode exigir o uso de agrotóxicos para eliminar pragas. Fique atento a essas especificações na embalagem do produto! (http://www.linhaca.net.br/diferencas-entre-a-linhaca-dourada-e-a-linhaca-marrom/ )


Mais neste blog sobre o ÕMEGA-3: 




Hiperatividade - Causa está na mesa, adverte psiquiatra. 

Hiperatividade. Causa está na mesa, adverte psiquiatra.
Os autores de vários estudos também demonstraram o impacto positivo da eliminação dos produtos alimentares contendo aditivos alimentares sintéticos, como corantes alimentares artificiais e conservantes sobre o comportamento das crianças com TDAH.
ÔMEGA-6, presente especialmente na carne vermelha, galinhas e ovos de granja, causa Hiperatividade 
Não comer carne não oferece qualquer prejuízo à saúde - cardiologista e nutrólogo Julio César Acosta Navarro, Instituto do Coração do Hospital de Clínicas de São Paulo
A influência dos componentes da dieta sobre os sintomas de TDAH em crianças.


Por Marise Jalowitzki
Leia na íntegra:

---------------------------------------
Querendo, leia sobre produtos tóxicos AQUI: PRODUTOS QUIMICOS EM NOSSO COTIDIANO CAUSAM ALTERAÇÕES NEUROLÓGICAS, ESPECIALMENTE EM CRIANÇAS
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/01/produtos-quimicos-em-nosso-cotidiano.html
---------------------------------------

Um site muito rico em conhecimentos sobre grãos com o DNA ativo (desperto - germinados), da amiga Conceição Trucon: http://www.docelimao.com.br/site/agenda/agenda-turma/378-como-germinar-graos-e-sementes.html
 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:
www.tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br


LIVRO TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM
Informações, esclarecimentos, denúncias, relatos e dicas práticas de como lidar 
Déficit de Atenção e Hiperatividade