domingo, 22 de outubro de 2017

Qual o tempo para que uma criança, jovem ou adulto se livre dos efeitos colaterais deixados pelas drogas psicotrópicas que parou de tomar?

A insônia e a agitação costumam ser os sintomas mais comuns e debilitantes. 

Por Marise Jalowitzki
22.outubro.2017
https://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2017/10/qual-o-tempo-para-que-uma-crianca-jovem.html


Uma mãe pergunta:


Qual o tempo para que uma criança, jovem ou adulto se livre dos efeitos colaterais deixados pelas drogas psicotrópicas que parou de tomar?



No caso desta mãe, o menino usou psicotrópicos receitados durante 4 anos e, agora, passados 6 meses da suspensão e uso de homeopatia e florais, continua apresentando os tiques, o peso elevado e alguns outros efeitos adversos (side-effects), incluindo a agitação.

Infelizmente, não há como prever. O desaparecimento dos efeitos colaterais é variável de paciente para paciente e, em alguns casos, não desaparece mesmo! Um pai que contatou recentemente comenta que o filho desenvolveu priapismo (ereção penial permanente, mesmo sem estar excitado) e teve de passar por dolorosa cirurgia para diminuir, pelo menos diminuir, este efeito que o desajusta, inclusive, para o convívio social.

Uma outra mãe, cujo caso do filho já abordamos em outro post (o rapaz, hoje com 22 anos, tomou diferentes drogas psiquiátricas desde os 9 anos e hoje não consegue se controlar, masturbando-se inclusive em público!), conta que, apesar da abstenção dos psicotrópicos e introdução da homeopatia e fitoterápicos, passados 6 meses, tudo continua igual! Desesperador!

Alguns casos menos agressivos, onde a pessoa conseguiu se limpar, relatam de 3 meses a dois anos e meio.

Há casos, também, em que os mamilos desenvolvidos em garoto após 6 meses de suspensão de psicotrópico, voltaram ao aspecto e textura normais de um menino.

Há tempos assisti a um documentário do Reino Unido (hoje já não o encontro mais!!) onde mostravam um ônibus cheio de crianças que ficaram com sequelas permanentes pelo uso destes tarja preta (ou outros, como os antidepressivos ou risperidona, que tanto mal faz!), sendo conduzidos a uma escola "especial", afastados do convívio considerado "normal" devido, principalmente, aos "tiques", a discinesia tardia!!! A cena era triste, terrível mesmo de se ver! Bancos com crianças se retorcendo, sem controle, ou soltando gritos e-ou gemidos! E não nasceram assim!!!

Aqui está um artigo onde uma jovem-adulta relata a saída e de como, ainda, agora, passado 3 anos da abstenção total, ainda sente dores físicas, agitação emocional, ansiedade e medo, tratando com psicoterapia e alguns fitoterápicos. Diagnosticada aos 13 anos como "Bipolar", já com vinte e poucos anos resolveu sair em definitivo. 

Aqui: 

Encontrando o significado no sofrimento: minha experiência com as drogas psiquiátricas (em poucas palavras!)


Por Laura Delano

Encontrando o significado no sofrimento - minha trajetória nas drogas psiquiátricas. - por Laura Delano



Outra mãe pergunta:



Como saber que uma criança está ficando dependente dos medicamentos psiquiátricos?



O NCBI - Centro Nacional de Informação Biotecnológica, em português  (*) informa que a dependência física geralmente é determinada por esperar até que o paciente desenvolva sinais e sintomas de abstinência. (NCBI). Esta dependência pode ser física ou psicológica e ambas são graves. Pois, quando o autoconvencimento "determina" que uma pessoa (independente da idade) só "funciona" bem quando do uso de medicamentos psiquiátricos, ela já não é mais a mesma e sua autoestima e autoconfiança foi pro saco!

Os sintomas são variados, dependem do tempo de uso e do tipo  de psicotrópicos usados, idade e saúde do paciente (debilitação imunológica).  

A insônia e a agitação costumam ser os sintomas mais comuns e debilitantes.  A relação é amplérrima e basta ler a bula para ver os riscos sérios. 

Compreensão, Paciência e Perseverança são sempre os melhores remédios. Ouça seu filho, esteja disponível para uma boa escuta, sem julgamentos. 



----------------------

(*) National Center for Biotechnology Information (NCBI; em português: Centro Nacional de Informação Biotecnológica) é uma secção da United States National Library of Medicine (NLM; em português: Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos da América), um ramo dos National Institutes of Health (em português: Institutos Nacionais de Saúde), com sede em Bethesda, Maryland. A instituição foi fundada em 1988 em resultado de legislação proposta pelo senador Claude Pepper.


O NCBI alberga dados provenientes da sequenciação de genomas no seu GenBank e mantém um índice de artigos de investigação biomédica que disponibiliza nas bases de dados PubMed Central e PubMed. Para além disso recolhe, trata e disponibiliza múltiplos outros tipos de informação relevante para o desenvolvimento da biotecnologia. Todas as bases de dados estão disponíveis na Internet através do motor de busca Entrez. (wiki)
Fontes:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3202507/

https://pt.wikipedia.org/wiki/National_Center_for_Biotechnology_Information

https://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2017/10/encontrando-o-significado-no-sofrimento.html



Querendo, leia também:

Livrando-se dos psicotrópicos - Viajando de volta para si mesmo - 9 componentes-chave para uma retirada bem sucedida 
Laura Delano é uma paciente mental que escreve sobre seus treze anos de doutrinação psiquiátrica (diagnósticada como bipolar), como ela acordou em 2010 e o que foi como sair de drogas psiquiátricas, deixa a identidade de "mentalmente doente" e redescobrir uma conexão autêntica com o eu e o mundo.

Por Laura Delano
https://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2017/10/livrando-se-dos-psicotropicos-viajando.html




quinta-feira, 5 de outubro de 2017

MAS FLORAIS NÃO TÊM BULA? NÃO DEVO DAR PARA USO, O MESMO FLORAL DO FILHO MAIS VELHO PARA O MAIS NOVO? POR QUÊ?


Considerando que crianças pequenas têm formas para expressarem angústias e insatisfações (...) É preciso encontrar a essência Floral que conduz aquele Ser! Ela (essa essência) conversa internamente com a criança; só eles se entendem!  (Edson Damião)



Por Edson Damião
05.outubro.2017
https://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2017/10/mas-florais-nao-tem-bula-nao-devo-dar.html

A Terapia Floral age de forma intensa no corpo sutil da criança; essa ação é trabalhada de forma a considerar as diversas emoções e bloqueios energéticos que, naquela criança, estão existindo. Há formas singulares em nós humanos (nas crianças também é claro!) de lidarmos com a vida, ou melhor, agimos nela e reagimos a ela de forma extremamente individualizada (são olhares únicos, mesmo em irmãos dentro da mesma casa); é uma forma só nossa de enxergar o mesmo cenário (nesse sentido, fico com o pressuposto da Programação Neurolinguística – PNL - que nos afirma: “O mapa não é o território”.

Considerando que crianças pequenas têm formas para expressarem angústias e insatisfações (daí em minha anamnese eu considerar o uso do lúdico e buscar ouvir o adulto, mas também e principalmente a própria criança); essas insatisfações, muitas vezes aparecem como: medo do escuro; desatenção; hiperatividade; recusa em ir à escola; xixi na cama; ranger de dentes; aumento do desejo de comer doces; etc...São muitos; como uma caixa de surpresas e sem fundo! Ufa!


É preciso encontrar a essência Floral que conduz aquele Ser! Ela (essa essência) conversa internamente com a criança; só eles se entendem! Essência e criança mantém um sério e grande diálogo! É daqui que saem as respostas de muitos pais ao retornarem com depoimentos, às vezes, em apenas uma semana de uso do Floral: “ – Nossa! Meu/minha filho(a) está muito mais focado e atento nas tarefas da escola!” - Ou seja, sinal para o Terapeuta Floral que a essência condutora foi encontrada – eles então já conversam (criança e essência)! Isso requer destreza por parte do Terapeuta (destreza, intuição; conhecimento profissional,etc...) – e também nos confirma a não necessidade de um Buquê com mais de 06 essências no mesmo vidro...essência em demasia são apenas essências em demasia; e para o Terapeuta é sinal de confusão ao longo do tratamento.


Apropriando-nos de todas essas considerações; cabe aqui perguntar de novo: Florais de Bach precisam de bula mesmo? Poderei dar o mesmo Floral para todos os meus filhos?
Fica a reflexão!



 Edson Damião é psicopedagogo, terapeuta floral e arteterapeuta. Consultas Terapia Floral – Agendar em 21 98165-3906 Ou Skype
Atendimento presencial e online - Rio de Janeiro - RJ




Outras publicações do mesmo autor, neste blog:










Por Edson Damião
22 de setembro 2017
https://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2017/09/florais-e-falta-de-atencao_21.html















crianças obesas têm um risco de 30% a 40% maior de, no futuro, sofrerem enfarte ou outras doenças isquêmicas cardíacas

Segundo a ONU, são 40 milhões de crianças obesas no mundo


Por Edson Damiao
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/01/criancas-obesas-e-ansiedade.html


E participações em:
DDA - As fases pelas quais eu passei. Meu filho, meu tesouro, um vencedor!

Relato de Mãe


Compilado por Marise Jalowitzki, a partir de comentários da mãe Ellen J A B e Edson Damião

 http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/11/dda-as-fases-pelas-quais-eu-passei-meu.html 







TDAH com Florais - Sem psicotrópicos - Relato de Mãe


TDAH tratado com Rescue Kids, sem Nootron, sem Gaballon -
E Muito Amor!














Mais sobre os Florais de Bach:



Florais de Bach Originais - site oficial do Bach Centre no Brasil - monas.com.br 



Por Marise Jalowitzki
09.novembro.2016
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/11/florais-de-bach-dicas-e-lembretes.html












Mais sobre o tema:


TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção com -ou sem-
Hiperatividade), TDO (Transtorno Desafiador Opositivo),
 TOC (Transtorno Obssessivo Compulsivo), Bipolar ...
alguém escapa?


Por Marise Jalowitzki











A presença, o interesse demonstrado, a aposta nos
 filhos, o elogio dos pais para com os filhos, também
 são ingredientes valiosíssimos!


Por Marise Jalowitzki
29.março.2016
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/03/tdah-e-falta-de-concentracao-dicas.html




Honney-Suckle, notadamente para falta de
 interesse nas circunstâncias presentes. Os chamados
 "cabecinha no mundo da lua". 



Parte 3

Por Marise Jalowitzki
12.fevereiro.2016
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/02/bate-papo-sobre-florais-ii-valores.html








Floral usado para tratar o TOC - Transtorno
 Obssessivo Compulsivo, por exemplo:
 WALNUT – Juglans régia.



Bate- papo sobre florais e outros - Parte 2


Por Marise Jalowitzki
08.dezembro.2015
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2015/12/tdah-dicas-de-florais-e-fitoterapicos.html


Essência Larch - dissolve o sentimento de 
inferioridade e o medo do fracasso












Por Marise Jalowitzki
24.outubro.2015
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2015/10/bate-papo-sobre-florais-de-bach.html



TDAH e Florais - Dr. Edward Bach e o Rescue Remedy




Rescue - Floral das Emergências, do Resgate, para situações de Ansiedade e Nervosismo


02.junho.2015
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/06/rescue-floral-das-emergencias-do.html


Agrimony - Como a planta pode ajudar o ser humano: 




05.março.2015
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2015/03/tdah-e-florais.html
Linkedin: https://www.linkedin.com/pulse/article/tdah-toc-e-florais-marise-jalowitzki/edit 

"As 38 plantas curam suave mas efetivamente, e como não existem plantas venenosas entre elas não existe nem o medo nem a possibilidade de tomar uma sobredose ou de estar sujeito aos riscos de uma prescrição incorreta."- Nora Weeks, As Descobertas Médicas de Dr. Edward Bach Médico







TDAH e alucinações - Psicose e Mania - Crianças podem enxergar vermes, insetos ou cobras rastejando em seus corpos, tudo efeito das drogas psiquiátricas - Reuters e Daily Mail


crianças menores de 10 anos são mais suscetíveis aos efeitos colaterais psiquiátricos - uso de medicação psicotrópica para tdah - após uma crise nervosa assim aterrorizante, sua prostração é imensa. E o medo de uma nova alucinação se instala. Pais, procurem as outras medicinas(homeopatia, medicina antroposófica, medicina chinesa, etc.)


 "Psicose ou mania podem surgir no curso do tratamento." - Dr. Andrew Mosholder

Ontem comentava com uma mãe sobre o tema, ela dizendo: "Meu filho nunca teve nada disso antes! Depois que começou a tomar 'esses remédios' passou a ver coisas e gritar assustado!"
"E o que diz o neuro?" - perguntei.
"Diz que é da doença!"
"E se eu te disser que pode ser do 'remédio'??"
"Pois eu também cheguei a pensar nisto!"


publicado neste blog em 06.outubro.2017

"As drogas para o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) podem causar a presença de alucinações, mesmo quando tomadas como indicado, disseram pesquisadores.

Os pesquisadores da US Food and Drug Administration (FDA) analisaram dados de 49 estudos clínicos realizados por fabricantes de drogas e descobriram que podem causar psicose e mania em pacientes, incluindo alguns sem fatores de risco óbvios.
Em alguns casos, as crianças alucinavam que vermes, insetos ou cobras estavam rastejando nelas.

"Pacientes e médicos devem estar cientes da possibilidade de que os sintomas psiquiátricos consistentes com psicose ou mania possam surgir no curso do tratamento", o Dr. Andrew Mosholder e colegas escreveram na revista Pediatrics.

Sua análise fornece novos detalhes sobre os riscos conhecidos das drogas, que incluem NOVN.VX,  Ritalin da Novartis AG e  Focalin XR, o Adderall XR da Shire Plc e o patch Daytrana, o Concerta Johnson & Johnson, o Metadate CD de Eli Lilly e Co Strattera (atomoxetina) e Celltech Pharmaceuticals Inc. (DMayl e Reuters)

Também inclui dados sobre modafinil (vendidos como Provigil, Modioda, Vigil, Modavigil, Vigicer), droga de narcolepsia que foi rejeitada como tratamento de TDAH em criançasNo Brasil, modafinil é vendido com os nomes comerciais de Stavigile.

A porta-voz da FDA, Sandy Walsh, disse que os dados formaram a base para avisos recentes sobre efeitos colaterais psiquiátricos que foram adicionados aos rótulos dos produtos nos últimos anos.


Milhões de crianças usam drogas para tratar sintomas de TDAH. Para 60 por cento, a condição continua na idade adulta e a pesquisa no ano passado revelou que o adulto médio perde 22 dias de trabalho por ano para o transtorno.

O TDAH é marcado por inquietação, impulsividade, desatenção e distração que podem interferir na capacidade de uma criança em prestar atenção na escola e manter relações sociais.

Em um relato sobre psicose, "O número de casos de psicose ou mania em ensaios clínicos pediátricos foi pequeno, Mosholder e colegas. descreveram uma garota de sete anos que tomou uma dose de 18 mg de Strattera ou atomoxetina, que começou a falar sem parar em poucas horas depois de tomar sua primeira dose.

"Duas horas depois de tomar sua segunda dose de atomoxetina, a criança começou a correr muito rápido, parou de repente e caiu no chão. O paciente disse que "corria para uma parede" (não havia parede ali) ", escreveram.

"O número de casos de psicose ou mania em ensaios clínicos pediátricos foi pequeno, no entanto, observamos uma ausência completa de tais eventos com tratamentos com placebo".

O Dr. Harold Koplewicz, do Centro de Estudos da Criança da Universidade de Nova York, disse: "Crianças menores de 10 anos são mais suscetíveis a efeitos colaterais negativos da droga da mesma forma que os idosos são. Estes efeitos colaterais adversos são raros.A bopa notícia é que, uma vez que você interrompe o uso do medicamento, os efeitos colaterais desaparecem".

"Nós sabemos que os medicamentos que afetam neuroquímicos em seu cérebro, para aumentar a sua atenção e torná-lo menos impulsivo, também podem ter um efeito sobre outros neuroquímicos em seu cérebro que afetam o humor", disse ele.

Ambos os investigadores da Koplewicz e da FDA pediram aos médicos que discutam os potenciais efeitos colaterais com os pais e as crianças para ajudar a aliviar a ansiedade, se tais sintomas ocorrerem.

Ambos os investigadores da Koplewicz e da FDA pediram aos médicos que discutam os potenciais efeitos colaterais com os pais e as crianças para ajudar a aliviar a ansiedade, se tais sintomas ocorrerem."

Fontes:
Daily Mail - http://www.dailymail.co.uk/health/article-1127684/ADHD-drugs-cause-children-hallucinations.html

Reutershttp://www.reuters.com/article/us-adhd-drugs-idUSTRE50P0QS20090126 Editado por Maggie Fox e Alan Elsner

PAIS E MÃES, PROCUREM as outras medicinas: homeopatia, medicina antroposófica, medicina chinesa, além das Práticas Integrativas reconhecidas pelo Ministério da Saúde (Reiki, Acupuntura, Quiropraxia).

Há outras alternativas para o tratamento de tdah.

Há vida saudável fora das drogas psiquiátricas.

Chega de drogar seu filho!



ver links: http://drleonardcoldwell.com/drugs-prescribed-to-children-for-adhd-are-molecularly-identical-to-street-drugs-and-are-really-powerful-psychotropic-mind-altering-chemicals/

Mais sobre o tema:


Modafinil,  Stavigile  


Nos EUA, os riscos foram considerados altos de mais e o medicamento foi proibido para crianças.
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2017/04/sobre-o-uso-de-modafinil-e-ritalina-em.html





Advertências para drogas usadas para tratar TDAH  chegam muito tarde para muitos 


Do Livro TDAH Crianças que Desafiam:
"De acordo com especialistas norte-americanos, as drogas do tipo das anfetaminas como Ritalina, Adderall (usado em narcolepsia, TDAH e como emagrecedor) e Dexedrine (EUA) e os inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRS), como Prozac, Zoloft (usado em casos de distúrbios do humor, transtornos do humor, pânico, depressão maior, distimia)Paroxetina (Seroxat, Paxil, Paxtrat, Arotin... entre outros nomes comercias) e Luvox (maleato de fluvoxamina), Vyvanse (Venvanse, no Brasil) e Strattera (EUA) podem causar efeitos secundários graves.

Outra pesquisa, da FDA (Food and Drugs Administration), órgão de vigilância sanitária dos EUA, e do NIMH (National Institute of Mental Health), feita em 2009, traz mais dados assustadores. O risco de morte súbita para adolescentes que tomaram Ritalina é de dez a 14 vezes maior do que para aqueles que nunca usaram o metilfenidato. (pág. 124 - Efeitos colaterais e riscos devido ao uso de medicamentos psicotrópicos)



As crianças hiperativas mortas por estas drogas representam apenas a ponta do iceberg.
Você pode ter certeza que muitas mais crianças estão sendo  prejudicadas em diferentes graus e em variadas maneiras, sem qualquer consciência da família ou médico." (Sheila Rogers, Diretora ACN)

Sheila Rogers Demaré é uma líder no campo de terapias integrativas para transtornos neuropsiquiátricos. Ela é fundadora e diretora da organização sem fins lucrativos internacional Association for Comprehensive Neurotherapy e editora do site www.Latitudes.org, que se concentra em encontrar tratamentos alternativos para síndrome de Tourette, ansiedade, autismo, déficit de atenção / hiperatividade (ADD / ADHD), depressão, transtorno obsessivo compulsivo (TOC), tics e dificuldades de aprendizagem.
Leia na íntegra:
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/01/drogas-para-tdah-psicopatas-artificiais.html

 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:

http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/

Para adquirir e obter mais informações, veja no blog  (AQUI) ou encaminhe e-mail para:
marisejalowitzki@gmail.com