sábado, 21 de janeiro de 2017

Diagnóstico indevido. Mães, fica a dica, procurem mais de uma opinião!

Nem sempre os médicos, até os considerados os melhores, são donos da verdade.. 

Muitas mães se desesperam ao ouvir um parecer médico, logo na primeira consulta. A importância de checar até o fim, ANTES DE MEDICAR, retirar todas as dúvidas, realizar todos os exames e testes, e tentar outras intervenções. Aqui, o relato de mais uma mãe compromissada com a saúde integral de seu filhote.





Levei o meu filho mais velho, quando tinha um ano e meio aproximadamente, em uma neuropediatra tida como a melhor da minha cidade

Ele era agitado, desatento, não falava, não te atendia quando era chamado, enfim.. ela olhou para ele e disse que ele tinha comportamento autista, que com um ano e meio deveria estar falando, etc... pediu vários exames, eletroencefalograma, ressonância magnética cerebral, exames genéticos, cariótipo, síndrome do x frágil..... todos deram normais, levei na fonoaudióloga também.. enfim, gastei o que tinha e o que não tinha, pois nem todos os exames o plano de saúde cobria..... 

Aí troquei de neuro, que disse que não era autista, que talvez pudesse ter algum transtorno, mas autista zero por cento de chance... Apostou em socializá-lo, em aceitá-lo como ele era, compreendê-lo mais, cuidar do sono... resumindo, meu filho não tinha NADA, nunca foi medicado, aos dois anos e meio começou a falar. Coloquei ele em uma escolinha e ele se acalmou, não era mais aquela criança agitada, nunca tive reclamação dele na escola, nunca apresentou problema de socialização e nem de aprendizagem... 

Nem sempre os médicos, até os considerados os melhores, são donos da verdade... meu filho hoje tem 12 anos, nunca tomou medicamento nenhum, passou para o sétimo ano, nunca pegou RT, sempre passou por média e nunca tive reclamações dele na escola...fica a dica.

Claro que aqui não se trabalha sobre cem por cem, há casos, sim, que precisam ser vistos e acompanhados, mas é preciso divulgar que muitas, muitas vezes não há problema!!! Precisamos ficar alertas, procurar ajuda, opiniões, mas nunca cair no desespero e sempre buscar alternativas que sejam as melhores para os pequenos.

Existem várias crianças com atraso na fala e nem sempre o problema é tdah, autismo ou qualquer outra síndrome. Tudo tem de ser investigado e tem que ter paciência.
















Criss Glockner é de Gravataí - RS





Querendo, leia também:




Drogar crianças em idade pré-escolar - um crime contra a infância
Por Jacob Azerrad, Ph.D

tradução livre: Marise Jalowitzki




quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Os perigos dos medicamentos antipsicóticos, especialmente em crianças

Brandy Warren, mãe de Kyle Warren, começou a se preocupar quando viu os efeitos dos medicamentos em seu pequeno filhote de 3 anos. O garotinho começou com Risperidona foi adicionado Prozac, depois mais dois medicamentos para dormir e um para distúrbio de déficit de atenção...
Risperidona, 
Risperidon®, Risleptic®, Ripevil®, Riss®, Risperdal®, Viverdal, Respidon, Zargus, Esquidon - um dos mais usados para conter a agressividade, a impulsividade das crianças tidas como hiperativas. Este antipsicótico traz sérios riscos, especialmente no uso de médio e longo prazo. Em 90% dos casos há o excesso de prolactina, um hormonio feminino que faz crescer os mamilos, tanto em meninas como em meninos, mesmo antes do início da puberdade, E há mais efeitos colaterais pesados.

No Brasil, este psicotrópico é também distribuído gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde. Há que informar-se sobre todas as possíveis consequencias antes de administrar em seu filho.


Dr. Fred Baughman: "A verdadeira questão é: como vamos fazer para destruir o monstro que criamos. Fomos enganados em acreditar que as forças do mal residem dentro de nossas crianças. (...)
Nossas crianças agem de forma que incomodam os adultos. 
Temos de ensinar agora aos adultos que a solução é com eles (adultos)! 
Ninguém tem qualquer ideia da dimensão que os efeitos destes medicamentos poderão apresentar no futuro, sendo administrados em crianças tão jovens! 

Temos de parar de colocar as crianças em contato com drogas!" pág 102 - Livro TDAH Crianças que Desafiam 



Transcrevo várias partes de um artigo de Duff Wilson Opelousas, dando detalhes da triste experiencia pela qual passou Kyle Warren, um garotinho de apenas 3 anos de idade. Por sorte a mãe percebeu o caminho pesado que seu pequeno estava trilhando.

"Aos 18 meses de idade, Kyle Warren começou a tomar diariamente um medicamento antipsicótico por ordem de um pediatra que tentava conter os graves episódios de descontrole emocional da criança. Assim teve início uma jornada conturbada para o garoto, de um médico a outro, de um diagnóstico a outro, envolvendo uma quantidade ainda maior de medicamentos. Autismo, desordem bipolar, hiperatividade, insônia, transtorno negativista desafiante (TOD = Transtorno Opositivo Desafiador). 

O regime diário de pílulas do garoto multiplicou-se: o antipsicótico Risperdal, o antidepressivo Prozac, dois remédios para dormir e um para distúrbio do déficit de atenção. E tudo isso quando ele tinha apenas três anos de idade. (!!!) 

Kyle permanecia sedado, babando constantemente e ficou obeso devido aos efeitos colaterais dos medicamentos antipsicóticos. Embora a mãe dele, Brandy Warren, não soubesse mais o que fazer quando recorreu ao tratamento à base de drogas, ela começou a se preocupar com a personalidade alterada de Kyle.

Hoje, Kyle, que tem seis anos de idade, está na quarta semana da primeira série, tendo tirado notas altas nas suas primeiras provas. Ele é barulhento e está mais magro. Tendo deixado gradualmente de tomar os medicamentos, graças a um programa da Universidade Tulane cujo objetivo é ajudar famílias de baixa renda cujos filhos têm problemas mentais, Kyle atualmente ri facilmente e faz brincadeiras com a sua família. Brandy Warren e os novos médicos de Kyle apontam para o seu progresso notável – e para um diagnóstico de desordem do déficit de atenção com hiperatividade, que é mais comum nas crianças – como prova de que aquele tipo de medicamento não deveria jamais ter sido receitado para ele. "

O depoimento desta mãe é o de muitas outras. Psicotrópicos não são inocentes docinhos, nem comprimidinhos mágico, pois, depois de um tempo, os comportamentos tendem a voltar ao que era antes (já que o químico deixa de fazer efeito), além de outros distúrbios (efeito colateral).

"“Tudo o que eu tinha diante de mim era um garotinho drogado”, diz Brandy Warren. “Eu não tinha mais o meu filho. Era como se eu olhasse nos olhos dele e visse apenas um vazio”.  A mãe dele revelou os registros médicos do garoto para ajudar a documentar uma tendência que alguns especialistas em psiquiatria estão achando cada vez mais preocupante: a tendência de certos médicos a prescrever automaticamente drogas mais potentes para o tratamento de crianças muito novas, e até mesmo bebês, cujos sintomas raramente exigem tais medidas." 

"Mais de 500 mil crianças e adolescentes dos Estados Unidos atualmente tomam drogas antipsicóticas, segundo um relatório divulgado em setembro pela Administração de Alimentos e Remédios (FDA)." No Brasil a realidade não fica aquém.

"O uso dessas drogas está aumentando não apenas entre adolescentes mais velhos, que estão na idade em que se acredita que a esquizofrenia se manifeste, mas também entre dezenas de milhares de crianças em idade pré-escolar."

A realidade dos diagnósticos apressados está cada vez mais presente no dia a dia das mães e pais, embora no Brasil já se tenha legislação recomendando que o diagnóstico só seja emitido após uma investigação acurada, retirando todas as outras possibilidades, escutando todas as partes envolvidas e demais especializações médicas (oftalmologista, dentista, fonoaudióloga, psicóloga, neuropediatra), além dos exames (Resolução 177/15 - CONANDA - Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente). 




"Um estudo da Universidade Columbia revelou recentemente que, entre 2000 e 2007, dobrou o índice de prescrições de drogas antipsicóticas a crianças de dois a cinco anos de idade que estão cobertas por plano particular de saúde. Somente 40% dessas crianças foram submetidas a uma avaliação de saúde mental apropriada, o que viola os padrões de prática médica estabelecidos pela Academia Norte-americana de Psiquiatria Infantil e de Adolescentes. 

'Há uma quantidade enorme de crianças tomando uma quantidade excessiva dessas drogas muito prematuramente', alerta Mark Olfson, professor de psiquiatria clínica e principal pesquisador do estudo financiado pelo governo. Segundo alguns médicos e especialistas, tais tratamentos radicais são de fato necessários para ajudar crianças novas com problemas graves a permanecer em segurança em escolas ou creches. Em 2006, a FDA aprovou o tratamento de crianças a partir de cinco anos de idade com Risperdal caso elas apresentassem autismo e comportamento agressivo, tendências a ferirem a si próprias, crises de ira ou grandes oscilações de humor. Duas outras drogas, o Seroquel, da AstraZeneca, e o Abilify, da Bristol-Myers Squibb, podem ser usadas em crianças a partir de dez anos de idade que apresentem desordem bipolar ou depressão maníaca. Mas muitos médicos dizem que a prescrição desses remédios a crianças cada vez mais novas representa graves riscos para o desenvolvimento tanto dos corpos quando dos cérebros em fase de rápido crescimento. 

Há uma tendência bem maior de medicar os meninos do que as meninas. O médico Ben Vitiello, chefe de tratamento e pesquisas preventivas para crianças e adolescentes do Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos, diz que é extremamente difícil diagnosticar apropriadamente problemas desse tipo em crianças novas devido à variabilidade emocional apresentada por estas. 

'Este é um fenômeno recente, motivado em grande parte pela percepção equivocada de que esses remédios são seguros e bem tolerados', afirma ele. Até mesmo os médicos que mais relutam em prescrever essas drogas deparam-se com um marketing intenso que transformou os antipsicóticos nas drogas mais lucrativas do país, e cujas vendas só no ano passado foram de US$ 14,6 bilhões, com grandes promoções voltadas para o tratamento de crianças. Na sala de espera do primeiro psiquiatra infantil de Kyle, as crianças brincavam com peças de Lego que traziam estampada a palavra Risperdal, uma droga fabricada pela Johnson & Johnson. Desde então a empresa perdeu a sua patente da droga e deixou de fornecer os brinquedos. Greg Panico, um porta-voz da companhia, diz que os Legos não eram fornecidos com a intenção de que as crianças brincassem com eles, mas sim como material de propaganda. 

"O psiquiatra Lawrence L. Greenhill, presidente da Academia Norte-americana de Psiquiatria Infantil e de Adolescentes, preocupado com a falta de pesquisas na área, recomendou a adoção de um registro nacional para que se possa acompanhar durante os próximos dez anos crianças em idade pré-escolar que tomam drogas antipsicóticas. “A psicoterapia é a base fundamental para o tratamento de crianças em idade pré-escolar que apresentam desordens mentais graves, e os antipsicóticos consistem em uma terapia de apoio – e não o contrário”, afirma Greenhill. 





"Mas é mais fácil medicar as crianças do que pagar um terapeuta familiar, um fato que foi evidenciado por um estudo da Universidade Rutgers, do ano passado, que revelou que crianças de famílias de baixa renda, como Kyle, têm uma probabilidade quatro vezes maior de receber medicamentos antipsicóticos do que crianças cobertas por seguro de saúde particular. Dados do Texas Medicaid obtidos pelo jornal “The New York Times” revelaram que no ano passado foi dispendido um recorde de US$ 96 milhões (R$ 167,7 milhões) com medicamentos antipsicóticos para adolescentes e crianças – incluindo três bebês não identificados aos quais se administraram os remédios antes que eles tivessem completado um ano de idade. Além disso, ao que parece, crianças de orfanatos são medicadas com mais frequência, o que fez com que um comitê do senado norte-americano, em junho, solicitasse ao Departamento de Responsabilidade Governamental que investigasse tais práticas." (...) 

"A FDA também passou a reforçar as advertências quanto ao uso de algumas dessas drogas para o tratamento de crianças. Kyle foi resgatado da sua medicação permanente por um programa terapêutico chamado Serviço e Apoio à Primeira Infância, criado na Luisiana por psiquiatras infantis da Universidade Tulane, da Universidade do Estado da Luisiana e pelo governo daquele Estado. O programa fornece a crianças que apresentam problemas e aos seus pais serviços de apoio social e de saúde mental. 


Kyle Warren, aos três anos, obeso, sedado, recebeu uma bateria de medicação psicotrópica, sendo que as crises de ira eram provocadas por problemas familiares e atraso na fala.

A médica Mary Margaret Gleason, a professora de pediatria e de psiquiatria infantil da Universidade Tulane que tratou de Kyle dos três aos cinco anos de idade, quando a medicação foi gradualmente reduzida, diz que não havia nenhuma razão médica válida para prescrever drogas antipsicóticas ao garoto, ou a qualquer criança de dois anos de idade. “Fatos como esse são preocupantes”, diz ela. 

"Gleason afirma que a situação atual de Kyle demonstra que ele provavelmente jamais teve distúrbio bipolar, autismo ou psicose. Os médicos atualmente dizem que as crises de ira de Kyle eram provocadas por problemas familiares e atraso na fala, e que nada disso justificava o uso de antipsicóticos.

“Eu jamais deixarei os meus filhos tomarem essas drogas de novo”, afirma Warren, 28, tentando controlar as lágrimas. “Eu não percebi o que estava fazendo”. 

"Edgardo R. Concepcion, o primeiro psiquiatra infantil a tratar de Kyle, disse que acreditava que as drogas poderiam ajudar em casos de depressão maníaca ou distúrbio bipolar em crianças novas. “Não é fácil fazer isso e prescrever essas medicações pesadas”, disse ele em uma entrevista. “Mas quando eles me procuraram, não tive escolha. Tive que ajudar essa família, essa mãe. Eu não tive escolha”. 


Maturidade

Warren admite que recorreu aos remédios para Kyle porque não estava preparada para ser mãe aos 22 anos de idade, vivendo em circunstâncias difíceis, e estando frequentemente distraída. “Era complicado”, diz ela. “A situação era muito tensa”. Kyle era um bebê fisicamente saudável, mas ele tinha medo de certas coisas. Ela passava horas enfileirando brinquedos. Quando estava contrariado, gritava, arremessava objetos, e chegava até mesmo a bater a cabeça contra a parede e o assoalho – um comportamento que não é incomum em bebês, mas que é assustador. 

“Eu o levei ao médico, que me disse que eu precisava apenas discipliná-lo”, conta Warren. “Mas como é que a gente disciplina um bebê de seis meses?”. Quando o comportamento de Kyle piorou depois que o irmão dele nasceu, Warren procurou o pediatra Martin J. DeGravelle. “Após passar cinco minutos sentado com Kyle, ele me olhou e disse: 'O menino tem autismo, não há nenhuma dúvida quanto a isso'”, diz Warren

Os registros da clínica de DeGravelle dizem que Kyle era hiperativo, predisposto a crises de ira, que ele falava apenas três palavras e “não interagia bem com desconhecidos”. DeGravelle receitou Risperdal. Naquela época, o Risperdal havia sido aprovado pela FDA apenas para adultos com esquizofrenia ou episódios maníacos agudos. No ano seguinte a medicação foi aprovada para certas crianças, a partir de cinco anos de idade, que sofressem de autismo ou apresentassem comportamento agressivo extremo. 

O remédio jamais foi aprovado pela FDA para uso em crianças com menos de cinco anos de idade, embora os médicos possam receitá-lo para “off-label use”. 

“Naquela época Kyle estava muito agressivo e ficava agitado com facilidade, de forma que tentamos encontrar uma medicação capaz de controlá-lo mais facilmente, já que não é possível argumentar com uma criança de 18 meses de idade”, disse DeGravelle em uma entrevista por telefone. 


É autismo??

Muitos pais, também no Brasil, desconfiam deste diagnóstico, já que a criança, apesar de agressiva em alguns momentos, interagir, responder, se comunicar. Procure uma segunda opinião!!!

"Mas Kyle não era autista – segundo várias avaliações, incluindo uma que DeGravelle recomendou que fosse feita por um neurologista. “Kyle não possui aquele déficit de interação social que é característico de crianças autistas”, diz Gleason. “O que ele queria era uma atenção mais positiva da mãe”. “Ele tinha problemas para se comunicar”, explica Gleason. “Kyle não contava com pessoas para ouví-lo”. 

"Após a consulta com o neurologista, o diagnóstico mudou para “transtorno negativista desafiante” e ele continuou tomando Risperdal. “Sim, eu pedi que o remédio fosse receitado”, admite Warren. “Mas eu já estava no limite, sem saber mais o que fazer”. DeGravelle sugeriu que ela marcasse uma consulta para o menino com Concepcion, que diagnosticou Kyle como sendo portador de distúrbio bipolar. “Os pais de muitas crianças que eu examino encontram-se realmente frustrados”, disse Concepcion em uma entrevista por telefone. “Especialmente as mães costumam chegar apavoradas e desesperadas para conseguir ajuda. Os seus filhos agem de fato como psicóticos”. 

"Concepcion conversou também com o médico Charles H. Zeanah, um professor da Universidade Tulane que que desaprovou tanto o diagnóstico quanto o tratamento prescrito. “Eu nunca vi uma criança em idade pré-escolar com distúrbio bipolar nos meus 30 anos como psiquiatra infantil especializado em saúde mental da primeira infância”, afirma Zeanah. “Esse diagnóstico foi polêmico, eu reconheço isso”, disse Concepcion. “Mas se a gente se propõe a receitar tais remédios a essas crianças, é necessário contar com um diagnóstico que embase o nosso plano de tratamento. Não se pode deixar de fornecer um diagnóstico e prescrever a eles o antipsicótico atípico”. Ele receitou mais quatro medicamentos para Kyle. 

"A foto da festa do aniversário de três anos de Kyle mostra um garoto de faces rosadas que engordou, atingindo um peso de 22,2 quilogramas. Crianças que tomam medicações antipsicóticas correm o risco de ficarem obesas e de sofrerem de diabetes. Na foto, Kyle sorri. Ele estava sedado. “A casca dele estava lá, mas o espírito não”, diz a mãe Warren. “E eu não gostava nada disso”. 

"Concepcion indicou Kyle para o programa de apoio à primeira infância, que desde 2002 ajudou cerca de 3.000 crianças em idade pré-escolar de famílias de baixa renda que corriam risco de padecer de doença mental. A fala de Kyle melhorou. Ele passou a manifestar menos crises de ira. “Eles começaram a trabalhar conosco como família”, conta Warren, que também recebeu aconselhamento para pais. “Isso ajudou”. 

"O tratamento de Kyle foi dirigido por Gleason, uma médica formada pela Universidade Columbia que liderava uma equipe responsável pela redação de diretrizes práticas para o tratamento psicofarmacológico de crianças muito novas. “As famílias às vezes precisam de uma solução rápida”, explica Gleason. “E esta rota frequentemente leva à prescrição de medicamentos. Mas eu temo que quando uma criança seja tratada por alguém que receite remédios mas não ofereça terapia, isso possa fechar a porta para um caminho capaz de provocar mudanças duradouras”. 

"Sem tomar mais a maioria dos remédios, Kyle passou a perder peso e o seu comportamento melhorou. A vida de Warren também melhorou. Ela conheceu um homem, e eles mudaram-se para uma casa própria perto de Opelousas, uma pequena cidade de 25 mil habitantes. No último sábado, os dois se casaram. Na nova casa, Kyle e o irmão, Jade, correm e brincam enquanto a babá os observa. As roupas deles estão cuidadosamente dobradas no quarto que dividem. Eles respondem com frequência: “Sim senhora”, ou “Sim senhor”. “Eles são muito respeitosos, mas são crianças hiperativas”, diz Warren. “Assim que deixou de tomar a medicação, ele voltou a ser Kyle. Ele é uma pessoa inteligente, barulhenta, engraçada, inteligente e ativa. Quero dizer, não temos jamais momentos de tédio. Kyle ainda apresenta alguns problemas de comportamento. Mas ele é como qualquer outra criança de seis anos de idade”. 

"Kyle faz uma pausa para ler um boletim do final do seu ano do jardim de infância, com uma nota “A”. 
“Excelente trabalho, Kyle!”, escreveu a sua professora do jardim de infância."

Texto original publicado no The New York Times - autor: Duff Wilson Opelousas, Luisiana (Estados Unidos) UOL 
Para ler na íntegra, consulte:
The New York Times
Folha de São Paulo - http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd0709201001.htm
http://noticias.bol.uol.com.br/internacional/2010/09/02/caso-de-menino-norte-americano-mostra-os-perigos-dos-medicamentos-antipsicoticos.jhtm
Tradução de CLARA ALLAIN
CONANDA - http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2015/12/tdah-diario-oficial-publica-resolucao.html


Querendo, leia também:

Remédios, ganância e um menino morto - Seroquel - The New York Times 


Mais uma criança ceifada prematuramente, mais um pai que escreve sua dor em um livro, na tentativa de alertar os demais de que comprimidos não são doces. Enquanto isso, a indústria farmacêutica continua pressionando o congresso norteamericano para que libere as receitas de drogas também para uso off-label. Este procedimento já vem sendo largamente utilizado também no Brasil. Está reivindicando um direito da Primeira Emenda da Constituição que lhe permitiria comercializar suas drogas para usos não especificamente aprovados ("off-label", literalmente "fora do rótulo"), um caminho que tornaria especialmente vulneráveis crianças com problemas de saúde mental como Andrew.

"Seroquel é Quetiapina, um neuroléptico do grupo dibenzotiazepina. Suas principais indicações são para o tratamento da esquizofrenia e do transtorno do humor bipolar tanto em fases maníacas como depressivas, principalmente para os pacientes que não se beneficiaram com os antipsicóticos clássicos." (Psicosite)

Dr. Fred A. Baughman, Jr. MD, Nurologista (adulto e infantil), é mais conhecido como um crítico da psiquiatria , afirma que o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é "uma fraude perpetrada pelas indústrias psiquiátricos e farmacêuticos para que as famílias ansiosas mediquem suas crianças, ao invés de entender seus comportamentos.". Baughman testemunhou perante o Congresso dos Estados Unidos , e foi entrevistado na PBS sobre o tema do TDAH. Ele fez várias aparições em talk shows, e tem escrito vários livros auto-publicados. autor do Livro: TDAH A Fraude (tradução em espanhol)


Publicado neste blog em 12.novembro.2015
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2015/11/remedios-ganancia-e-um-menino-morto.html


Também:

TDAH e a Síndrome de Indução Medicalizante pelo Adulto - SIMA
Como se constrói a autoestima de uma criança?


 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:
www.compromissoconsciente.blogspot.com.br


LIVRO TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM
Informações, esclarecimentos, denúncias, relatos e dicas práticas de como lidar 
Déficit de Atenção e Hiperatividade






segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

TDAH - Ela é calma demais, tem deficit de atenção e não sei mais o que fazer

Todos nós somos diferentes uns dos outros e não dá pra colocar as pessoas dentro de um mesmo conceito, dentro de uma mesma "caixa" comportamental, embora seja isso que a escola e mesmo muitos familiares e amigos (?) apontam como "normal" (da norma estabelecida socialmente).


Por Marise Jalowitzki

"Olha, vendo relatos de várias mães em relação aos filhos, me deparei com várias situações; que vivo no dia dia com minha filha ... Ela foi diagnosticada com déficit de atenção aos 08 anos, hoje tem 12. Já foi em psicóloga, fez tratamento psicopedagógico, já foi em neurologista, fez testes cognitivos ... tomou ritalina 20mg durante três anos e nunca notei nenhuma melhora; depois, o neurologista trocou para ritalina LA ; mas também não notamos melhoras ... Atualmente me vejo sem saída, especialmente devido às cobranças da escola...E agora nesta idade dela, parece que ela cresce e não amadurece...

Minha flha é super educada, obediente, calma. Calma demais, não se preocupa com as tarefas da escola, horários então não existem na vida dela...compromisso com nada... e isto atrapalha muito no aprendizado dela...

Me dê um conselho, o que devo fazer? ?? Aqui é um relato de uma mãe desesperada que não sabe mais o que fazer."


Querida amiga, estas são crianças diferentes, sábias, crianças que devemos aceitar, acolher e tratar como são, em primeiro lugar e, com MUITO carinho e compreensão, conduzi-las da melhor maneira para o caminho que elas podem trilhar.

Costumam ser pessoas dóceis (só quando bastante pressionadas é que reagem impetuosamente), que se deixam conduzir.

Várias são as causas possíveis desta tranquilidade que muitos enxergam como exagerada: problemas na gestação, ingestão da mãe de medicação que influenciou, traumas (acidentes), hora do nascimento por cesariana ou com parto difícil (no sentido de demorar para nascer), medicação que tomou desde cedo por outros eventuais problemas. E, sim, pode ser apenas uma característica individual, que não combina com o "fuso horário" deste nosso mundo insano, sempre com muita pressa, sempre com uma necessidade doentia de realizar coisas em tempo determinado por alguns adultos.

Crianças que costumam aceitar tudo que os pais lhes indicam, isto é, vão ao colégio, seguem a rotina presencialmente, mas não se importam, como bem dizes, em cumprir os compromissos. Nas tarefas, precisam ser ajudadas para que possam cumprir os temas. Nas atividades domésticas, por vezes até cuidam do seu cantinho (quarto), embora não vejam muito sentido nisso... gostam de estar bem arrumadinhas, limpas e bonitas (mesmo tendo de ser mandadas para tomar banho...rsrs).

Nos encontros familiares não são falantes, por vezes parecem mesmo alijadas no processo e, quando falam, parentes costumam rir ou desdenhar, pois "nada a ver"...por isso se recolhem ao silêncio, o que é bastante conveniente para algumas famílias. Infelizmente.



Procura ser o mais possível muito companheira e amiga de tua filhota.

Todos nós somos diferentes uns dos outros e não dá pra colocar as pessoas dentro de um mesmo conceito, dentro de uma mesma "caixa" comportamental, embora seja isso que a escola e mesmo muitos familiares e amigos (?) apontam como "normal" (da norma estabelecida socialmente).

Vai retirando este psicotrópico que tua filhota já toma a anos, e que não resolve mesmo, na maioria ds casos, pois é um químico que atua artificialmente por algumas horas, além dos graves riscos que pode trazer à saúde, em diferentes áreas.

Como ela já toma a ritalina há muito tempo, não interrompe de súbito, pois vai gerar efeitos colaterais pesados. O melhor é consultar um pediatra homeopata que vai ajudar neste desmame (espaçando os horários de uso e diminuindo as doses), introduzindo medicação específica. Melhor ainda se este homeopata tiver conhecimento sobre os Florais de Bach, que podem ser usados sem nenhum risco junto aos psicotrópicos, não possuem nenhum efeito colateral, totalmente liberados pela ANVISA, não são controlados, nem apresentam riscos, em qualquer idade.

Para aumentar a concentração existem vários florais e fitoterápicos:
- Floral composto (pede na farmácia de manipulação homeopática - 30ml, 3 x ao dia 5 gotinhas sublinguais): Larch (aumenta a auto estima) + Wild Oat (foca nas tarefas) + Gentian (acreditar que será bem sucedida) + Chestnut Bud e Chicory (para que se reconheçam como merecedores) - todos em um vidrinho só, álcool a 5% (dura um mês), em vinagre de maçã (dura um mês, também)  ou diluído em água destilada (dura 15 dias e guarda em geladeira).

Na fitoterapia temos o pinus pinaster e o gingcko biloba. Conversa com o homeopata.

Na alimentação, incentivar grãos, pipoca, melado, cacau retirar o mais possível todos os alimentos que contêm o trigo (pois promovem um efeito semelhante à cocaína, assim como a ritalina - deixam apáticas as pessoas).

No Capítulo 12 do Livro TDAH Crianças Que Desafiam há várias dicas sobre o que incluir e o que retirar da dieta. Deixo alguns
 O que incluir na dieta
 "Assim, use vitaminas e nutrientes essenciais para seus pimpolhos. Omega-3 é um tipo de gordura poli-insaturada. É um ácido graxo essencial encontrado em vegetais, especialmente na linhaça, nozes de cânhamo e linho" (pág 167)

Conversa muito com ela, realiza passeios ao ar livre só vocês duas, tipo uma praça, façam um lanche sentadas na grama, onde ela possa ter espaço para te falar sobre os seus sonhos. Acolhe todos, mesmo os descabidos e tenta conduzir para alguns possíveis, mais imediatos, sem desmerecer ou chamar de "impossíveis" os demais.

Mais que tudo, estas crianças parecem temer muito a crítica, os julgamentos e, então, optam por nem expressar o que pensam.

Levar para atividades como cuidar de um pet ou de um canteiro, por menor que seja (vale até um vasinho) e, sempre que possível, para uma atividade voluntária, vai trazer grandes benefícios.

E, na escola, se reprovar, deixa repetir. Comenta, sim, sobre o tempo perdido, mas que, também pode servir de grande reforço.

Fundamentalmente, estas crianças sabem da inutilidade de estudar conteúdos defasados e arcaicos para "se preparar para o mercado de trabalho"... e "ser alguém na vida"...elas já sabem onde estão os reais valores da Vida e já sabem que são pessoas muito queridas e necessárias ao planeta, do jeitinho que são.

Quando a paciencia e a calma são vistas pelos pais como características, e não como um problema, habilidades maravilhosas podem surgir. 

O ato de sonhar, de fantasiar, de imaginar, quando bem aceito pelo entorno, pode promover escritas (em prosa ou verso), pintura, desenho, produções artísticas no geral no pequeno ser em desenvolvimento. E o mundo precisa tanto disto, também nas relações interpessoais, no trato com as demais pessoas.

Beijos e Felicidades!

Qualquer coisa, contata!

Lembrando que:


"Não é sinal de saúde estar bem ajustado a uma sociedade profundamente doente!"
"… Falamos da vida — e não de ideias, de teorias, de práticas ou de técnicas. Falamos para que olhe esta vida total, que é também a sua vida, para que lhe dê atenção. Isso significa que não pode desperdiçá-la. Tem pouquíssimo tempo para viver, talvez dez, talvez cinquenta anos. Não perca esse tempo. Olhe a sua vida, dê tudo para a compreender."
J. Krishnamurti


Sobre as garotas da imagem:
Imagens retiradas da web - 
- a primeira - foto identificada como "Marli Johnson" - Consta no link: "Quero Minha Liberdade, nem que seja pouca" - http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2015/07/quero-minha-liberdade-nem-que-seja-pouca.html

- a segunda: Trata-se de Nina Fritsche, 10 anos, é uma menina calma e doce. Gosta de ler antes de dormir para acalmar os sonhos. Lê todas as noites. Ela diz que o gosto pela leitura vem desde que era pequeninha. O hábito se tornou tão forte, que Nina ganhou o prêmio da Biblioteca Pública de Santa Catarina, situada no Centro de Florianópolis, como a jovem que mais leu livros neste ano. Ao todo, foram 97 obras lidas. (ler mais: http://educacao.uol.com.br/noticias/2016/12/18/menina-de-10-anos-ganha-premio-por-ler-97-livros-em-um-ano.htm)


Querendo, leia também: 

DDA - Déficit de Atenção sem Hiperatividade


O que vai no interior desta criança

No início de sua vidinha, lá nos primeiros anos,
a criança não tem noção das diferenças e convenções impostas pelo mundo adulto
e ela se crê (e é!!) uma "igual", com direito e mérito a receber
Amor, Carinho, Aceitação e Compreensão.



 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:



quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Livro TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM e embalagem do BBurger!!!








Por Marise Jalowitzki
28.dezembro.2016

Ontem aconteceu uma situação inusitada! Na hora de enviar as remessas do Livro TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM, faltaram alguns envelopes! que fazer? pelo avançado da hora, ou deixar para remeter no dia seguinte, ou ver quais as possibilidades de resolver o problema. 
Logo pensei nos 3R´s do Consumo Consciente: 
1 - R= Reduza o consumo; 
2 - R - Reutilize sempre que possível; 
3 - Recicle. 
Olhei, procurei, nada! nenhum papel resistente o suficiente que possibilitasse o reuso. Foi quando vi, na biblioteca do neto Jeliel, na área "Minhas Coleções", as várias embalagens do BBurger! Ele pensou um pouco antes de dar o "sim" para a reutilização, mas, diante da ação ecológica, e do resultado prático efetivo, seu senso de futuro administrador falou mais alto: 
"Pode usar!" 





Assim, peço aos destinatários que aceitem com carinho esta embalagem, fruto de uma ação despreendida de um jovem universitário. Ficou perfeito, além de resistente! 

Além do que, um comercial para o BBurger e seus saborosos burgers veganos!! (O que o neto mais ama é o Monster!!)




http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/12/livro-tdah-criancas-que-desafiam-e.html