terça-feira, 14 de março de 2017

TDAH - Liberando o filho dos psicotrópicos - A importância da Escola Acolhedora - Relato de Mãe

Mais tempo para estar com nossos filhos! O nosso corre corre do trabalho, associado ao corre corre para as terapias, também adoecem nossas crianças, e a nós também.

"Suponhamos que a criança tem sete anos e não lê bem, mas joga muito bem. Temos aqui um problema? Os pais ficam com medo e começam a  pensar que seu filho é estúpido ou preguiçoso. Os professores cobram. Eles levam o filho a psicólogo, terapeuta... Entretanto, não existe no mundo nenhum método que ensine a criança a ler, se ela ainda não está pronta.” (Remo H. Largo, médico e escritor em Zurique. Dirigiu durante quase três décadas o Departamento de Crescimento e Desenvolvimento no Hospital Infantil da Universidade de Zurique - pág 32 - A necessária desaceleração - Livro TDAH Crianças que Desafiam)

Relato de Mãe para dar Esperança às mamães que hoje estão com o cabelo em pé com seus filhotes e as cobranças da escola!



Por Dani Lourinho


Para acalmar a alma
Olá queridos amigos do grupo TDAH Crianças que Desafiam.
Quero dar o meu depoimento das vitórias que temos alcançado.
Tenho um filho de 9, diagnosticado aos 4 TDAH, depois de eu excluir todas as outras possíveis coisas, dpac, visão, espectro, inclusive o processo natural de alfabetização . 

OK...Foi muita luta.. muita tristeza ...muitos desafios...Parecia estar num pesadelo. Meu filho era convidado a se retirar, a sair da turma do karatê, do futebol, da capoeira, de tudo que tentei, teve sua matrícula negada numa escola porque eu tinha uma tutora da minha confiança . Passei a medicá- lo com ritalina 20mg e quando a escola sinalizou que não dava conta quando o efeito passava, passamos ao uso da Ritalina LA de 8h. Meu filho virou um zumbi. Retirei e voltei pra de 20. Por longos 3 anos. Mudando de escola.... Em um ano foram 4 escolas... Tentando terapias...Psicólogos, comportamental. Tentamos o neurofeedback com um avanço, mas ele era muito criança ...Foi difícil...
Nunca estive tranquila quanto ao uso de remédio. 
Marise Jalowitzki sempre ciente de tudo. 
Dificuldade para dormir, a neuro quis inserir mais outro medicamento. Foram 3 neuros. A última nem olhava meu filho. 


Essencial conseguir uma escola que entenda meu filho!

Com muita luta ...Consegui uma escola que soube compreender as especificidades de meu filhote e soube então trabalhar com Amor. Uma escola pequena, familiar. As grandes, caras e famosas, não serviram. Uma com Sistema Positivo de ensino foi a pior (Merece um post)...Com sistema de copiação e não de alfabetização. 

Como sou professora, eu soube conduzir esse processo ao meu filho, que, sem pressa e sem cobrança, foi alfabetizado entre 7, quase 8 anos. 





O tempo de cada um

Esse é um ponto que mães e escolas precisam entender ...E é fundamental para excluir falsos diagnósticos. 
Hoje, a cada dia uma vitória ...Sorrisos, abraços , elogios..
Dizem que ele é outra criança.










A força do Amor

Está sem medicação, sem tutora, relação com colegas estabelecida com afetividade (trazíamos os colegas para lanches em casa). E exclui todas as terapias ...que me tiravam um tempo precioso com meu filho. O brincar, o assistir tv, o ensinar com paciência , foram mais importantes do que as terapias. O nosso corre corre do trabalho, associado ao corre corre para as terapias, também adoecem nossas crianças, e a nós também. 




Auto regulação
Quero lembrar ainda que há o que chamamos de auto regulação do TDAH que é um processo também a ser trabalhado...A criança por seu processo de maturidade, bem conduzida e amparada, como fiz, começa a se perceber e a perceber suas ações frente aos demais. Ele estava com a autoestima destruída devido a tanto "fracasso escolar" . Quando a escola passa a trabalhar suas diferenças e ele passa a se controlar , há o crescimento, amadurecimento e aumento de autoestima...Pois ele começa a se perceber capaz. É reconfortante pra eles e pra nós. É importante diminuir cobranças e exigências . Ele não consegue fazer uma lauda inteira de uma atividade dá escola sem se levantar.. aceite isso. Tenha um tempo maior para estar ali. O mesmo a escola.. se ele fizer uma lauda numa aula...Esse é seu ganho.
Por escolas mais humanas!

Percebo sempre que a maioria das escolas não incluem ninguém. E nem tampouco contribuem para que as crianças tenham seu ritmo próprio respeitado.

Há muitos professores que não sabem o real objetivo de sua profissão, que é educar para a Vida. Não conseguem cumprir com o conteúdo ortodoxo em sala e enchem a criança também de atividades para casa. 99% de metodologia centrada no livro didático. Péssimo pra um TDAH.

Uma das escolas fazia todas as recomendações que eu pedia...porque, de certa forma, fiz meu nome na educação da minha cidade. Mas eles estavam perdidos. E não tinham noção de como incluir. Escola de grande porte, classe média alta e não queria pagar por uma psicopedagoga...ou psicóloga que ajudasse na orientação das professoras. Decidi trocar...por uma escola de bairro familiar...sem o tal sistema. Humana e atenta às necessidades.

E o GRANDE DIFERENCIAL, eles programam duas vezes na semana aula de natação no próprio turno. O que dá uma quebra no dia e na semana pesada.

Desde o início achei que seria bom. Muito do que se precisa. Serotonina adquirida pela atividade física e pelo sol da manhã, ajudando a combater o cortisol que provoca a ansiedade, desatenção e estresse..liberados na escola. Cansamos de nos perguntar porque nossos TDAH ficam bem nas férias.

Essa é mais do que uma explicação plausível. Pra encerrar. Meu filho está bem ...feliz...calmo...mais atento e motivado.


O caminho é o do Amor, da Esperança e da Aceitação.





   
Dani Lourinho
é mãe e educadora em Belém - Pará



Poderá também gostar de:

TDAH - O Tempo de cada um para a aprendizagem  - Nossas velhas maneiras de ver as coisas e os novos jeitos de usufruir a vida





Déficit de Atenção. Hiperatividade. A revisão do Estilo de Vida, do que estamos oferecendo à criança, e de como concebemos Felicidade, tudo isso precisa acontecer! Não vale pensar apenas em "moldar" a criança, achatando-a, rotulando e estereotipando! É preciso rever o jeito de ser das pessoas adultas, de como elas lidam e tratam os menores, revisar os modelos severos e engessados dos adultos!

TDAH - O Tempo de cada um para a aprendizagem  - Nossas velhas maneiras de ver as coisas e os novos jeitos de usufruir a vida

Por Marise Jalowitzki
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2014/04/tdah-nossas-velhas-maneiras-de-ver-as.html



Conheça:

TDAH - RELAÇÃO DE ESCOLAS ACOLHEDORAS, QUE PRATICAM A ACEITAÇÃO, A COMPREENSÃO, A INCLUSÃO - BRASIL



   

Pais, Mães, Profissionais que queiram enviar o nome de instituições para incluir na Relação podem manifestar aqui, nos comentários, por e-mail - marisejalowitzki@gmail.com ou pelo facebook, inbox ou no grupo TDAH Crianças que Desafiam





sexta-feira, 10 de março de 2017

Autismo - Fonoaudióloga e Circo, tratamento MUITO eficaz para crianças no espectro - Relato de Mãe

Relato de Mãe - Minha vida mudou muito, para melhor. Meu filho evoluiu como nunca imaginei que fossemos chegar em tal lugar. (Íris Verges, mãe do Gabriel) - foto: Felipe Rogério Ribeiro (o Tio Feijão) e o querido Gabriel  


Emocionante evolução do Gabriel, um menino lindo, atualmente com 5 anos, e toda a vivência de sua mamãe, Iris Verges que, incansavelmente, procurou ajuda quando seu pequeno recebeu o diagnóstico de autismo e uma receita de Risperidona para trabalhar sua irritabilidade! A mãe nunca deu o psicotrópico por saber de seus riscos. Foi adiante, trocou experiencias, abriu caminhos, encontrou 
- uma fonoaudióloga preciosa,Vivian Maranho
- uma professora acolhedora, Fernanda Silva e o 
- professor físico Felipe Rogério Ribeiro, conhecido como Felipe Feijão, ou "Tio Feijão" como o chamam os pequenos.

Uma história de Amor e de Sucesso. O garotinho, apesar do espectro, hoje pode-se dizer que praticamente não apresenta mais as características. Palavras da mãe, corroborada pelos especialistas e que pode ser claramente assistido no video. 

Este video é altamente esclarecedor e enternecedor:

Conheça as vantagens das atividades circenses para crianças no espectro autista:
O circo trabalha o psicológico, o social - que é muito importante - e a psicomotricidade: trabalha noção de espaço, noção de tempo, lateralidade (o que tenho de fazer com o lado esquerdo, tenho de fazer com o direito), motricidade fina, dominancia lateral... Vale a pena assistir! Clique:

 http://globotv.globo.com/tv-vanguarda-sp/madrugada-vanguarda/v/circo/5245356/

Parabéns pela produção! 
E com, simplesmente, 400 e poucas visualizações!
Histórias assim precisam ser amplamente divulgadas!



Autismo - Fonoaudióloga e Circo, tratamento MUITO eficaz para crianças no espectro - Relato de Mãe

Por Iris Verges
10.março.2017

"Minha experiencia, como de muitas mães, foi longa e extenuante. Mas nunca desisti de meu filho.

Mães ACREDITEM em seus filhos!

Hoje meu filho tem 5 anos. Minha vida mudou muito, para melhor. Meu filho evoluiu como nunca imaginei que fossemos chegar em tal lugar. Hoje ele estuda numa escola particular que tem a professora Fernanda Silva que nos abraçou. Junto com o circo que é fundamental! Gratidão, Tio Feijão!. E nada de medicação! Gratidão também à fonoaudióloga Vivian Maranho que acompanha toda a evolução do meu amado Gabriel e que foi a pessoa que indicou as aulas de circo como complementação às sessões de fono. 
O meu filho se deu bem com aulas de circo. Nunca dei o remédio Risperidona que a neurologista passou. Ele começou a fazer os primeiros sons depois de um mês fazendo as aulas de circo. Antes, o único som que a gente conhecia dele era o choro. Agora ele conversa, está organizado, evoluiu muito. Ele perdeu quase todos os traços autistas que tinha. Nunca achei que o circo fosse ser a grande solução para a nossa vida!

Até fizeram uma matéria com a gente aqui na Globo local. Segue matéria. Na época da reportagem meu filho tinha 4 anos. Hoje ele já está com 5."




Iris Verges , mãe do Gabriel.








link G1:http://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2016/09/aulas-de-circo-ajudam-no-tratamento-de-criancas-autistas-em-sao-jose-sp.html

 (https://www.facebook.com/divertidamentecirco/ ) Aulas de circo ajudam no tratamento de crianças autistas em São José (Foto: Reprodução/Madrugada Vanguarda)


É na aula de circo que crianças autistas estão superando seus limites. Em uma escola em São José dos Campos, no interior de São Paulo, o ‘tio Feijão’, como é conhecido, já conseguiu bons resultados e pretende continuar o trabalho para mudar a vida destas crianças especiais.

 05/09/2016 15h20 - Atualizado em 05/09/2016 15h23

Aulas de circo ajudam no tratamento de crianças autistas em São José, SP

São 18 crianças autistas que frequentam as aulas e apresentaram melhora.
Fonoaudióloga confirma melhora de criança de três anos após aulas.


Uma das crianças que ganhou mais independência depois de três meses de aula é o Gabriel, de três anos. A mãe conta que antes dele começar as aulas ela procurou uma fonoaudióloga porque a criança ainda não falava. A especialista indicou, então, as aulas de circo.

“Ele só começou a fazer os primeiros sons depois de um mês fazendo as aulas de circo porque o único som que a gente conhecia dele era o choro. Agora ele conversa, está organizado, evoluiu muito. Ele perdeu quase todos os traços autistas que tinha. Nunca achei que o circo fosse ser a grande solução para a nossa vida”, relatou emocionada a mãe Irís Verges.
A fonoaudióloga Vivian Maranho afirma que o circo é benéfico para as crianças já que ajuda no desenvolvimento. No caso do Gabriel, ela confirma o avanço após o início das aulas.
“A grande questão do autismo em trabalhar a comunicação é perceber os pequenos olhares. O Gabriel viu o 'Feijão' subindo e ele ficou preocupado. A criança escuta em casa ‘não sobe, vai cair, é perigoso’ e quando você vê uma criança que está dentro do espectro olhar para o outro e se preocupar vai ampliando o olhar da criança. É um pouco aqui e um pouco na clínica esse trabalho", explicou.
Ela conta e também se emociona ao ver os avanços da criança. "É um processo bonito pela interação, o olhar que ele lança o tempo todo para o professor. Eu fico emocionada em ver ele falando que está com medo, porque deu nome ao sentimento, sabe o que está sentindo. Ele confia em um adulto e passa a interagir com o ambiente. Melhora a comunicação e a fala, consequentemente", disse.



Circo é utilizado como tratamento para crianças (Foto: Arquivo Pessoal/Divertidamente Circo)
Projeto
O projeto de inclusão das crianças autistas surgiu do educador físico Felipe Feijão. Atualmente, são 18 alunos autistas na escola, que fica no Jardim Satélite.
"As crianças com autismo são muito apegadas à rotina. Então, no nosso projeto a gente dá uma rotina que faz com que eles se organizem e em cima disso a gente vai construindo novos elementos e atividades em cima do que ele gosta."
O circo pode mudar vidas. “O circo é bem democrático para crianças e adultos. Trabalha o psicológico, cognitivo, superação de limites, autoconhecimento, respeito com opróprio corpo”, completou. Para oferecer as aulas, a escola cobra por mês de R$ 150 a R$ 250.
Querendo, leia também: 

TDAH, Raiva e Risperidona

No Brasil, segundo dados do IBGE, até 2010 existiam 924.732 pessoas diagnosticadas como sendo portadoras dos sintomas de TDAH, sendo que 184.481 em tratamento e fazendo uso de psicofármacos." (pág.51 - Livro TDAH Crianças que Desafiam) - Números que tem crescido m ritmo exponencial. Agora o Ministério da Saúde tornou Lei a necessidade de maiores averiguações antes da emissão do diagnóstico. Resolução 177/15 (entrou em vigor dia 01.jan.2016). Vamos ver como vai funcionar na prática.
Link: http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2016/01/tdah-raiva-e-risperidona.html


Iris Verges, mãe do Gabriel
Com Vivian Maranho,Fernanda Silva e Felipe Rogério Ribeiro
Parabéns a todos!
Abraços e Felicidades!



 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:
www.compromissoconsciente.blogspot.com.br


LIVRO TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM
Informações, esclarecimentos, denúncias, relatos e dicas práticas de como lidar 
Déficit de Atenção e Hiperatividade








quinta-feira, 9 de março de 2017

Homeschooling - Ensino Doméstico e Conselho Tutelar - Informações Importantes







Por Alexandre Magno Fernandes Moreira
Publicado neste blog em 10.março.2017
http://tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br/2017/03/homeschooling-ensino-domestico-e.html


Algumas informações sobre as visitas do Conselho Tutelar:
1. O Conselho Tutelar é o órgão de fiscalização dos direitos das crianças, não tendo poderes para impor nenhuma medida à família.
2. Todos os pais que ensinam em casa devem estar preparados para uma eventual visita do Conselho Tutelar. Essa visita ocorre porque o conselho precisa verificar se não há situação de abandono intelectual.
3. Nada obriga a família a receber os representantes do Conselho Tutelar. Porém, é aconselhável que os receba e explique a situação com toda a boa vontade necessária.
4. A família deve presumir que os representantes do Conselho Tutelar não têm a mínima noção do que seja educação domiciliar, pois essa é a situação em quase todos os casos. Assim, é preciso que a família saiba explicar exatamente o que é isso e porque é uma ação legítima.
5. Mais do que explicar, é indispensável que a família prove que efetivamente está ensinando os filhos em casa. Por isso, é preciso que todas as atividades educacionais estejam devidamente registradas.
6. A presença de um advogado não é indispensável, mas pode ser útil para explicar os fundamentos jurídicos da educação domiciliar. Porém, se houver interesse, a própria família pode se informar e explicar a questão jurídica aos representantes do Conselho Tutelar.
7. Quase sempre os representantes do Conselho Tutelar ficam convencidos das razões da família. Caso isso não aconteça, a questão será remetida ao ministério público. 


Alexandre Magno Fernandes Moreira é Procurador na empresa Banco Central do BrasilTrabalhou como Coordenador de Licitações, Contratos e Convênios da Consultoria Jurídica na empresa Ministério da Educação - MEC, Professor de Direito Penal, Processual Penal e Administrativo na Universidade Paulista e na empresa Gran Cursos. É de Brasília. Site:http://www.alexandremagno.com


Mais sobre o tema:



Homeschooling seria solução para muitas crianças e jovens que sofrem bullying?
Sim, Homeschooling ainda é proibido no Brasil, manter a criança fora da escola é crime previsto no Código Penal, artigo 246, considerado abandono intelectual. Mas, neste momento, há uma brecha. STF congelou os processos temporariamente e não está aceitando novos. Enquanto isso, mais e mais pais e mães vão se tomando de coragem!

Exposição a bullying torna a vida de muitas crianças e jovens um inferno na escola, quando este deveria ser um período de aprendizagem gratificante e enriquecedor.
E também:


Menino Ramses Sanguino"um dos mais inteligentes cinco anos de idade do planeta ', já está aprendendo sete línguas e resolução de equações matemáticas complexas - foi filmado aparentemente demonstrando telepatia em sua casa em Los Angeles, Califórnia. 

Dra. Powell afirma ter encontrado sinais de telepatia em pelo menos sete pessoas diferentes e estuda agora formas de expandir esta 'linguagem' para outros indivíduos em igual condição. MARAVILHA!

Quanto mais conheço, mais tenho certeza que é o Entendimento, a Aceitação das Diferenças, o fim do preconceito em todas as suas formas e um COMPROMISSO COLETIVO COM O BEM ESTAR DE TODOS OS SERES é que tornará esta humanidade, finalmente, mais humana e feliz.
A mãe declara: "Nós temos uma ligação muito estreita que pode ter algo a ver com suas habilidades - mas isso está além de qualquer coisa que eu poderia ter imaginado".




 Marise Jalowitzki é educadora, escritora, blogueira e colunista. Palestrante Internacional, certificada pelo IFTDO - Institute of Federations of Training and Development, com sede na Virginia-USA. Especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Fundação Getúlio Vargas. Criou e coordenou cursos de Formação de Facilitadores - níveis fundamental e master. Coordenou oficinas em congressos, eventos de desenvolvimento humano em instituições nacionais e internacionais, escolas, empresas, grupos de apoio, instituições hospitalares e religiosas por mais de duas décadas Autora de diversos livros, todos voltados ao desenvolvimento humano saudável. marisejalowitzki@gmail.com 

blogs:
www.tdahcriancasquedesafiam.blogspot.com.br


LIVRO TDAH CRIANÇAS QUE DESAFIAM
Informações, esclarecimentos, denúncias, relatos e dicas práticas de como lidar 
Déficit de Atenção e Hiperatividade